top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrasiele Barreto

Como lidar com o julgamento e as críticas

É comum ouvir de jovens que tiveram pais muito críticos, relatos de falas que tornaram-se gatilhos na vida adulta e causam desconforto e sofrimento, prejudicando o relacionamento de pais e filhos. Comentários do tipo: "você não faz nada", " você não passa de uma patricinha", "você é muito mimado", "você é muito preguiçosa" etc.


Ter mais empatia e respeito em relação ao outro, são as palavras de ordem contra o julgamento.


É difícil para qualquer pessoa, manter um relacionamento saudável com familiares, quando se sabe que na sua ausência surgem julgamentos e críticas que machucam e afastam o adolescente do convívio familiar.


Entendo que o ambiente familiar é o espaço onde podemos aprender a nos relacionar e a desenvolver nossa personalidade. Sabemos que esse convívio nem sempre é fácil, pelo contrário é repleto de desentendimentos e julgamentos que muitas vezes causam crenças limitantes que carregamos pela vida.


Muitos comportamentos e falas sobre a forma "correta" de educar são aprendidas de geração a geração, e acabam sendo reproduzidos pelos pais, pois eles não sabem e não tiveram outra forma de convivência que envolva respeito, amor, diálogo, flexibilidade e gentileza.


Mas como lidar com as criticas e julgamentos de forma mais positiva? Vamos conhecer algumas dicas que podem te ajudar a lidar com esse problema.


  1. Ouça atentamente: se o julgamento é sobre um assunto que envolve muitas pessoas, é importante que se discuta as diferentes visões a cerca do assunto e não achar que o problema é somente com você.

  2. Respire fundo: se o julgamento diz respeito ao outro, "não vista a carapuça", muitas vezes um julgamento revela mais sobre quem está julgando do que quem é julgado.

  3. Exerça a empatia: busque se colocar no lugar da outra pessoa para entender suas inseguranças e medos ao efetuar o julgamento. Analise se a crítica tem mesmo algo que você possa melhorar e caso não considere importante descarte.

  4. Crie limites: fale o que te incomodou no julgamento/crítica, isso pode ser um pouco constrangedor no início, mas também há grandes chances de ambas as partes saírem melhores dessa conversa. Você pode tentar amenizar as opiniões negativas por meio do diálogo, mas não tem nenhum controle sobre os sentimentos alheios, somente sobre os seus.

  5. Mostre outra versão: é possível que as pessoas não entendam os seus gostos, suas escolhas, e o que te deixa feliz, mostre o seu raciocínio e defenda seus argumentos, deixe que aqueles que te julgam conheça um pouco mais de você.

  6. Compreenda: Tente compreender por que o julgamento do outro te incomoda tanto, se você não considera verdadeiro o que o outro disse, por que levar a sério e se magoar?

  7. Deixe para lá: Se você já está cansada de debater e ainda continua doendo quando ouve esse tipo de julgamento, mude de assunto, saia da ambiente, evite a briga. Enquanto não existir vontade de ambas as partes em resolver os conflitos e buscar um diálogo respeitoso, não vale a pena o conflito.


Ser julgado pela sua família pode ser profundamente doloroso. Isso porque o julgamento confunde-se as suas atitudes com o que você é como pessoa. Quando alguém ataca suas ações, você pode sentir como se ele ou ela estivesse atacando o seu caráter. Mas lembre-se que muitas vezes estamos sendo julgados e em outras somos nós que julgamos os outros. Podemos fazer várias escolhas de acordo com nossa personalidade para evitar aquele sentimento de rejeição e mágoa diante de um julgamento.


Se você sofre com esse tipo de situação marque uma consulta e vamos ressignificar essas memórias e criar novas ferramentas para lidar com cada situação.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page